41 anos sem John Lennon: Relembre morte do ex-Beatle e quem foi o assassino Mark Chapman [FLASHBACK]
09/12/2021 09:37 em Música

John Lennon em 1972 (Foto: AP Images)

Em 8 de dezembro de 1980, há 41 anos, um fato marcaria para sempre a indústria cultural: a morte de John Lennon.

A noite de 8 de dezembro de 1980 representou uma grande perda para a música. Por volta de 22h50, após sair de gravação nos estúdios Record Plant com Yoko Ono, John Lennon foi baleado quatro vezes — duas nas costas e outras duas nos ombros — quanto voltava para a casa, em frente ao prédio em que morava em Nova York.

Lennon foi levado ao Hospital Roosevelt, que ficou cercado de repórteres e de uma multidão apreensiva. No entanto, pouco tempo depois, o Dr. Stephan Lynn, diretor do serviço de emergência, anunciou no saguão que o músico chegou ao local morto e, apesar dos esforços dos médicos, não conseguiu ser reanimado.

Há 41 anos, a indústria musical sofreu um baque quando o homem de jaleco branco anunciou a morte de John Lennon, com 40 anos na época. Para marcar a data, a Rolling Stone Brasil relembra os últimos momentos do astro, assim como explica quem foi o assassino dele, Mark Chapman.

Como foi o dia de John Lennon?

O dia 8 de dezembro de 1980 foi repleto de trabalhos e compromissos para John Lennon e a esposa Yoko Ono. Após tomarem café da manhã no Café La Fortuna, o músico cortou o cabelo para um compromisso especial: a sessão de fotos com Annie Leibovitz, fotógrafa da Rolling Stone EUA.

Após convencer a profissional a fotografar o casal, John Lennon começou a sessão de fotos, que rendeu algumas das imagens mais emblemáticas do artista com a esposa: o músico, sem roupa e em posição fetal, ao lado de Yoko Ono, vestida.

Conforme explicou o site Isto é, em seguida, o astro deu uma entrevista a David Sholin. Por volta das 16h30, ele e Ono desceram para ir ao estúdio Record Plant, onde gravariam “Walking on Thin Ice”. Antes, contudo, deram autógrafos a alguns fãs que estavam no local - e um deles foi Mark Chapman, quem seria responsável, horas depois, pela morte do ex-Beatle.

Depois do trabalho no estúdio, John Lennon e Yoko Ono voltaram para casa. Em frente ao Edifício Dakota, contudo, o astro foi baleado quatro vezes e não resistiu.

Quem foi Mark Chapman?

Aos 25 anos, Mark Chapman foi o autor de um dos crimes que mais marcou a indústria cultural. Nascido no Texas, o homem branco de cabelos castanhos foi preso no local do crime, onde aguardou pacientemente após balear Lennon. Conforme explicou a Rolling Stone EUA, o criminoso leu o livro O Apanhador no Campo de Centeio, de J.D. Salinger, enquanto esperava a chegada da polícia.

Anteriormente, Chapman fez o reconhecimento do local. Visitou diversas vezes a entrada do Edifício Dakota, onde John Lennon foi executado, para perguntar sobre o artista e dizer que era um “grande fã”. Horas antes de atirar no ex-Beatle, o criminoso também conseguiu um autógrafo do músico na capa do disco Double Fantasy.

Mais tarde, após ser preso, Chapman explicou que era um grande admirador dos Beatles, mas a situação mudou quando John Lennon passou a afirmar nas músicas que não acreditava em Deus ou na Bíblia. Em especial, a canção “God”, de 1970, enfureceu o criminoso, que se considerava um cristão renascido.

"Eu queria gritar bem alto 'Quem ele pensa que é para dizer essas coisas sobre Deus, o paraíso e os Beatles?' Dizer que não acredita em Jesus e coisas assim. Naquele ponto, minha mente estava passando por uma escuridão de raiva e ira," disse Chapman posteriormente.

O que aconteceu com Mark Chapman?

Pelo assassinato de John Lennon, Mark Chapman foi condenado à prisão perpétua com liberdade condicional após 20 anos de pena, a partir de 2000. Desde então, ele tentou julgamentos visando a liberdade condicional, mas, todas as vezes, o recurso foi negado.

Em 2010, durante audiência, o criminoso também afirmou pretender ganhar notoriedade com a morte — e o ex-Beatle seria um alvo mais fácil que outras celebridades. “Senti que matando John Lennon me tornaria alguém e em vez disso tornei-me um assassino, e os assassinos não são alguém”, disse, na época. Ele também reconheceu que foi “uma decisão horrível acabar com a vida de alguém por motivos egoístas.”

 

Por: Rollingstone

 

COMENTÁRIOS

       

           

          

PUBLICIDADE