Jovem usa dinheiro de viagem de formatura para lançar app antiassédio
05/11/2015 16:01 em Tecnologia

ISABEL SETA

DE SÃO PAULO

Há quatro meses, a estudante Catharia Doria, 17, foi chamada de "gostosa" na rua, em São Paulo, por um homem que disse ia "levá-la para casa". Não teve coragem de responder ao assédio, mas teve uma ideia para ajudar outras mulheres que enfrentam situações como essa diariamente.

Assim nasceu o Sai Pra Lá, um aplicativo que permite registrar o tipo de assédio (verbal, físico, com assovios etc.) e o endereço aproximado de onde ocorreu. A ideia, segundo a jovem, é mapear as ocorrências para facilitar o combate ao problema. "Como ninguém nunca realmente denuncia o assédio, é como se não tivesse acontecido, então não conseguimos saber quantas vezes isso já ocorreu", diz.

Lançado na terça-feira à noite (3), a ferramenta, disponível para os sistemas operacionais iOS e Android, registrou 300 registros de assédio e 3.862 curtidas em sua página no Facebook.

Em parte, por causa do "timing" perfeito: logo depois da redação do Enem, cujo tema era violência contra a mulher, da campanha #primeiroassédio, pela qual mulheres relataram nas redes sociais a primeira vez que sofreram assédio sexual, e de uma manifestação em São Paulo que recebeu mais de 5.000 pessoas contra o projeto de lei 5069/13, que dificulta o aborto legal e restringe a venda de medicamentos abortivos no país.

Para chegar a esse resultado, entretanto, Catharina optou por desistir da viagem de formatura que seu colégio vai realizar no ano que vem para Cancun, no México. A decisão foi tomada para pagar o desenvolvedor e a designer envolvidos no projeto, já que a adolescente não entende "nada de html nem de computação".

Sua mãe, Silvia Brenner, 51, conta que ela lhe pediu para usar o dinheiro da viagem para viabilizar o Sai Pra Lá. "Ela me disse que faria isso sem choro nem vela, sem arrependimentos. Como é que eu vou impedir alguém que está disposta a trocar a viagem de formatura?", diz Silvia.

Quatro meses depois do assédio na rua e vários pagamentos parcelados depois, o app foi lançado. Catharina diz ter ficado impressionada com a recepção positiva. "Sou feminista e acompanhava o tema em páginas nas redes sociais, mas há quatro meses esse assunto não estava em pauta", diz.

Você está gostando do seu novo site?
    Ver parcial
Sim
Não
Voltar

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
PARCEIROS

 

Parceiros:

           

Apoiadores:

      

         

Realização: