Furacão Patricia é reduzido à tempestade tropical
24/10/2015 09:44 em Mundo

Do UOL, em São Paulo 24/10/201505h52 > Atualizada 24/10/201510h27

24.out.2015 - Turistas se abrigam em corredor de hotel de Guadalajara, após chegarem de Puerto Vallarta, cidade na costa oeste do México e uma das cidades mais atingidas pela passagem do furacão Patricia. Após ser classificado como o furacão mais forte já registrado, o Patricia perdeu força conforme avança pelo território mexicano em direção nordeste, porém continua perigoso, com ventos de até 260 km/h Leia mais Edgard Garrido/Reuters

Horas após chegar à costa oeste do México como o furacão mais forte já registrado, Patricia perdeu força na madrugada deste sábado (24) ao migrar mais para o interior do país, e agências agora o classificam como uma tempestade tropical, de acordo com informações da rede de TV norte-americana CNN.

Mais cedo, no começo da manhã de hoje, o furacão já havia sido reclassificado para a categoria 1 (em uma escala que vai de 1 a 5), após passar por cidades como Puerto Vallarta e Manzanillo, no litoral do Estado de Jalisco, com ventos de 270 km/h.

A CNN já tinha exibido um comunicado do presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, em que ele confirmava o enfraquecimento do furacão e que os estragos haviam sido menores do que se previa. Ainda assim, mantém-se o estado de vigilância e atenção para possíveis transtornos ao longo deste sábado.

Houve relatos iniciais de inundações e deslizamentos, mas nenhuma ocorrência de vítimas ou de grandes danos conforme a tempestade se movia sobre as montanhas do interior do país, ao longo da madrugada. Imagens de TV mostraram árvores e postes derrubados e ruas inundadas, além de carros e ônibus sendo carregados pelas enchentes no Estado de Jalisco.

"Os primeiros relatórios confirmam que os danos foram menores do que aqueles correspondentes a um furacão dessa magnitude", disse o presidente Enrique Peña Nieto.

"No entanto, é muito importante que a população permaneça nos abrigos, as forças de segurança farão patrulhamento para proteger suas casas. Repito, ainda não podemos baixar a guarda."

De pior da história a chuva pesada

À medida que a noite avançava, as autoridades mexicanas manifestaram um otimismo cauteloso, enquanto esperavam até sábado de manhã para obter a escala da destruição.

A turista Brandie Galle, dos Estados Unidos, contou que tinha sido abrigada com outros hóspedes do hotel Hard Rock em Puerto Vallarta em um salão com tábuas nas janelas. Após duas horas sem sentir muitos efeitos, os funcionários deixaram que os hóspedes saíssem para comer em um restaurante do hotel.

Galle conta que alguns clientes desesperados pagaram cerca de R$ 1.200 para irem de táxi até Guadalajara, a 300 km da cidade. Os aeroportos de Puerto Vallarta, Manzanillo e Tepic foram fechados na sexta-feira, mas autoridades anunciaram uma ponte aérea no sábado para transportar viajantes presos fora das áreas atingidas pela tempestade.

A família Sokol deveria ter deixado Puerto Vallarta na sexta-feira, mas acabou em um abrigo em uma universidade depois que seu voo foi cancelado. De noite, eles estavam de volta ao hotel: "É incrível. Ele foi de o pior da história a apenas uma chuva pesada", disse Susanna Sokol.

Crescimento inesperado

O furacão Patricia se formou de repente na terça-feira, evoluindo de tempestade tropical rapidamente para um furacão. Dentro de 30 horas, passou a ser avaliado como tempestade de categoria 5, a mais alta na escala, pegando muitos de surpresa com seu rápido crescimento.

Na sexta-feira, foi observado que era o mais poderoso furacão jamais registrado, com uma pressão central de 880 milibares e ventos sustentados de 325 km/h, de acordo com o Centro Nacional de Furacões.

O poder de Patricia, quando ainda estava sobre o oceano, era comparável ao do tufão Haiyan, que deixou mais de 7.000 mortos ou desaparecidos nas Filipinas há dois anos.

Autoridades mexicanas declararam estado de emergência em dezenas de municípios nos Estados de Colima, Jalisco e Nayarit. Escolas foram fechadas e muitos moradores estocaram suprimentos. O governo ainda montou centenas de abrigos e anunciou planos para desligar a eletricidade como uma precaução de segurança.

 

Nos EUA, o furacão Patricia chegou a ser considerado ameaça no Estado fronteiriço do Texas, com analistas dizendo que, mesmo após a diminuição da tempestade, sua umidade poderia alimentar fortes chuvas. Um alerta de inundação costeira estava em vigor na noite de sexta-feira em Corpus Christi. (Com agências internacionais)

Você está gostando do seu novo site?
    Ver parcial
Sim
Não
Voltar

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
PARCEIROS

           

      

         

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE